Um verdadeiro tributo ao Folclore!

Não estamos falando de um evento de 3 ou 5 anos…muito menos um evento com 10 anos de história. Estamos falando de um evento que em Maio de 2018 completa 53 anos ininterruptos de realização. Trata se de um dos mais originais eventos folclóricos do país:

Festival do Chucrute de Estrela

Imaginem um evento que mantém suas principais características como a decoração, música, dança e comida da mesma maneira como quando surgiu na década de 60.

O Festival do Chucrute reúne de maneira completa toda a família. São mais de 420 dançarinos dos 3 aos 80 anos de idade, tradicional comida alemã, uma decoração esplendorosa e rica em detalhes e significados, ótima música típica alemã e todos com lindos trajes folclóricos fazem do ambiente algo encantador aos olhos e um bem estar se instala entre todos. As apresentações das 12 categorias de dançarinos são a alma da festa!

O Festival do Chucrute também prima pela sua organização observando a qualidade de seus serviços como na alimentação cuidadosamente preparada, observância aos horários, qualidade dos espetáculos folclóricos apresentados bem como limpeza e segurança impecável.

Não há nada mais tradicional, original e encantador em termos de costumes, folclore e tradição germânica em todo o estado, sendo um dos mais antigos eventos do gênero de todo o país.

Venha viver o mais típico e bonito evento da colônia alemã !

Festival do Chucrute – 19 à 27 de maio de 2018

A alegria e o folclore esperam você de braços abertos !

Casais Comendadores 2018

Da esquerda para a direita na foto:
Eloir Cesar Hilgert e Marcia Schemmer Hilgert
Edson Hentschke e Carmem Liane S. Hentschke
Eduardo Wink e Sueli Marlene Wink
Helmuth Scholz e Lori Scholz
Ernani Paulo Sehn e Aneli Kich Sehn;
Juliano Henrique Prade e Rosane Fagundes

Rainhas e Princesas do Festival 2018

Rainha Adulta: Emanuelle Pies
Princesas: Sophia Rassweiler Gorgen e Lais Schwambach;

História

A história do Festival do Chucrute se funde com a história do Grupo de Danças Folclóricas Alemãs de Estrela.

Nos anos de 1964 e 1965, o Coro da Comunidade Evangélica de Estrela realizava tradicionalmente o “Baile do Coro” que reunia vários corais da região. Nesta época um grupo de pessoas também ligadas à Comunidade Evangélica de Estrela, entre elas o casal Adolfo e Helga Ziebel tiveram uma ideia nova quanto ao evento. Os jovens da época não sabiam mais dançar valsas, polkas e schottisch. Aquelas danças antigas estavam se perdendo no esquecimento do tempo. Então, em uma garagem particular de uma residência no centro de Estrela, o casal Ziebel iniciou os ensaios. Tiveram a ajuda de alemães bávaros em visita a cidade. Ensaiaram 6 pares de dançarinos para apresentar danças típicas. Iniciava-se naquele momento a história do mais antigo grupo de danças folclóricas alemãs de todo o Brasil. As primeiras danças foram Niederbayrischer Ländler, Sternpolka, Schottisch, Herr Schmidt e Zigeunerpolka. Diga-se de passagem, dançadas até hoje. Os primeiros ensaios foram nas sextas feiras à noite. Curiosamente mantém-se até hoje os ensaios de sextas com a categoria de iniciantes (Esperas), como que lembrando os iniciantes de 1964 em seus primeiros passos de danças.

No ano de 1966 o Baile do Coro passou a se chamar “Baile do Chucrut” com decoração de guirlandas e comida alemã. Nesta primeira edição do evento, este grupo de dançarinos foi oficialmente apresentado ao público e obteve grande aceitação, pois até então ainda não era conhecido. Durante alguns anos o maestro Ziebel com seu bandonião ensaiou o grupo de jovens e nos dois anos seguintes, devido a uma enfermidade, foi sua esposa, dona Helga, que passou a ensaiar e coordenar os dançarinos. Neste período o grupo já havia realizado muitas apresentações e era formado também por turmas de crianças. Nos dois anos seguintes, o professor Elmar Götz da Alemanha trabalhou nos grupos de danças e, após retornar ao seu país, o professor Beno Heumann assumiu os trabalhos por vários anos até 1984. No ano de 1985, Andréas Hamester, dançarino do próprio grupo, foi convidado a instruir as quatro categorias dos grupos da época.

Atualmente, o “Conjunto de Danças Típicas Alemãs” como era denominado, é conhecido como o Grupos de Danças Folclóricas Alemãs de Estrela. Sendo o mais antigo grupo do gênero em atividades ininterruptas desde 1964, quando aconteceram os primeiros ensaios. O Grupo é mantido pela Comunidade Evangélica de Estrela, como desde o princípio, e neste mais de meio século de atividades já realizaram mais de 1.900 apresentações em cerca de 700 cidades de 10 diferentes estados brasileiros e também em 14 diferentes países da Europa e América do Sul.

Sobre o Grupo de Danças Folclóricas Alemãs de Estrela:

– É o mais antigo grupo de danças folclóricos alemãs de todo o Brasil em atividades ininterruptas, 54 anos completados em maio de 2018

– É a maior concentração do BRASIL de dançarinos em um único grupo com 420 componentes dos 3 aos 88 anos.

– Possui 12 categorias de dançarinos. Mirim, Infantil, Juvenil, Semi-Um, Semi-Dois, Esperas, Especial, Oficial B, Oficial A, Sênior, Casais e 3ª Idade.

– 1.900 apresentações já realizadas em seus 54 anos de história.

– 700 cidades visitadas em 10 estados do Brasil e em 14 países da América Latina e Europa em dezenas de turnês.

– Média de 50 apresentações a cada ano, sendo assistido por mais de 45 mil pessoas a cada ano.

– Possui em seus arquivos de ex-dançarinos mais de 2.100 componentes ao longo de mais de 5 décadas.

– Caracteriza-se por um movimento autenticamente folclórico pois gerações de dançarinos fazem a história do Grupo de Estrela. Uma comunidade regional inteira está diretamente envolvida ao longo dos anos.

– Mais de 90 matérias em jornais e TV foram vinculadas com atenção aos trabalhos dos Grupos de Estrela, além de dezenas de programas de rádio. O Grupo de Estrela é uma referência em termos de tradição da dança folclórica germânica.

– Já recebeu muitos prêmios de destaque pelo seu trabalho e sua história inclusive o Prêmio do Ministério da Cultura do Brasil (Cultura Popular e Mestre do Mundo).

– O trabalho dos Grupos Folclóricos de Estrela tem uma enorme relevância a manutenção do folclore trazido pelos imigrantes europeus que colonizaram a região sul, porém há outro destaque a se fazer e que se refere a saúde mental e física de seus integrantes quando a atividade mantém a todos voltados a coisas boas da vida e deixando de lado as drogas, a apatia e a ignorância do ser como um todo.

Instrutor Responsável: Andréas Hamester